"Cabe-nos a tarefa irrecusável, seriíssima, dia a dia renovada, de - com a máxima imediaticidade e adequação possíveis - fazer coincidir a palavra com a coisa sentida, contemplada, pensada, experimentada, imaginada ou produzida pela razão." Goethe

O QUE NÃO DIGO


            Na tentativa de estar contigo
            soltei-me dos ombros,
            fui buscar morada
            no vento.

            Fui desfolhando, pouco a pouco
            o coração em pétalas 
            num jardim inteiro de amor
            - talvez caberia justo
            dentro d'um livro -
            mas não em mim,
            nunca dentro de mim.

            Pois que este sentimento
            sempre tanto e tão maior
            além e apesar 
            do pesar das palavras,
            sempre mais...

            Um pouquinho mais de dor
            para um tanto mais de amor
            e mais e mais amor...

            [Pois que com amor,
            a lágrima se fez seiva
            e a ferida se fez flor]

            Amor... Acaso sabes
            o quanto de celebração cabe
            dentro de um sopro de vento?

            Não pergunto porque saiba
            - eu não sei -
            mas não é esta a minha mágoa.

            Esquece tudo,
            descansa os teus mansos olhos, amor
            sente o vento passar e 
            ouve bem,
            tudo que eu não digo.

            lumansanaris 
            imagem: Google


ASAS E AMARRAS


Penso que o aperto da raiz
também mantenha em ordem
a vida.

Talvez por isso
solto, querendo prender
e parto, querendo ficar.

Coisa doida essa
de querer acertar com os outros
e ser para si, tão pouco.

Porém, no fim tudo é energia
e sentimento não obedece
pensamento.

Ah os sentimentos, são como as aves
escolhem caminhos
que não precisam de chaves.


lumansanaris
imagem: www.sirius.77.de

M A I S

          Saudade de querer chegar
          um dia e
          este me pertencer
          E depois de um tempo
          recordar e dizer
          - Parece que foi ontem.

          ...Eu te via
          a meia luz de uma estrela nossa
          adornado-me com teus risos.

          Ah
          que vida, que sonho
          o doce milagre de contigo
          sorrir e sofrer
          Somando-nos e não sendo
          mais que um.

          Desenhando os meus olhos
          com o brilho
          que na noite anterior
         plantei nos teus
         Pois que cada noite nos valia
         uma vida.

          O dizer dos dias
          que se construíam com
          as mais simples saciedades
          cumpridas
          com o capricho que só cabe
          ao amor de verdade
          Deixando todo o resto livre
          para a felicidade.

          Saudade de querer ter força
          para nos convencer
          de que
          alguns pecados
          são realmente bons
          E que
          este medo de viver a vida
          mais machuca que preserva.

                                                                         lumansanaris 
                                                                         imagem: Google

EQUÍVOCO

   Ainda falta me acostumar
com a falta
Falta o amadurecer de um adeus
que nunca quis ser e
resiste ao acordar
por saber que o que vem depois
é triste.

Falta porque um dia foi tudo e
este dia
nunca foi embora
Falta, porque
talvez a alma tenha ignorado
a ausência da carne.

Falta tanto...
E são só minhas.

Falta o que parecia certo e
errado também
posto que os erros me apuravam
o sentir.

E se não me falha a memória, reafirmo
que me falta quase tudo
diante da presença destes sentimentos
remanescentes...

Dessas faltas que navalham vincos
na face do esquecimento
e se fazem lembrar.

                                                                         lumansanaris
                                                                    imagem: Tumblr 

BEIRA MAR


E o sol se levanta
na manhã de acordes 
do meu violão.

Toco mais uma canção
enquanto o paraíso
toca-me a alma.

O marulhar das ondas
torna-se coro
nos versos que construí.

... E grãos de areia 
que não se sabem
viram pérolas...

lumansanaris
imagem: Tumblr 

A música: 



TRANSPARÊNCIAS DO OLHAR



Havia mais um grão de areia 
naquele tempo
e sentimentos que enfeitavam
o pensamento.

Um olhar contornado por infinitos
e ondas de lágrimas 
que lavavam o cais, do coração.

Havia um mar inteiro para se afogar,
um céu como testemunha
e a ausência de uma lua perdoada
pelo clarão da constelação.

Um constante movimento dentro
-  caos e reconstrução -
e um sussurro de vento seduzindo o pulmão. 

Havia uma alma despida de tudo
porém grávida - de asas e coragem –
lançando-se as coisas do alto
mergulhando fundo e florescendo
estrelas ao mar.

Havia sobretudo, um riso constante
que desatava nós  (nos)
as transparências do olhar.

lumansanaris
Imagem: Google

Real Time Web Analytics